26
Jul 09

 

 


   

20
Jun 09

 

 


   

 




arte


02
Nov 08

 

 

Os produtos de padaria feitos pelo tailandês Kittiwat Unarrom são horríveis. Sua pequena empresa parece mais um necrotério. Entretanto, se você superar sua aversão natural e der uma mordida em uma cabeça humana fresquinha, comer um braço ou mastigar um dedo, você irá perceber imediatamente que é um pão delicioso.

A idéia de assar pão em formatos de partes humanas ocorreu a Unarrom, um escultor fracassado, ao assistir o filme Hannibal. Unarrom aparentemente achou que as pessoas gostaria de comprar pães crocantes e fresquinhos que parecem-se com braços, mãos, cabeças e dedos destroçados e mutilados. O homem convenceu seu pai, dono da padaria, a tornar o seu investimento mais lucrativo, diversificado e divertido.

Os pães se tornaram muito populares entre os moradores da região. Pouco depois, Unarrom já estava vendendo para restaurantes de elite e exportando. "Eu recentemente assinei contratos com as embaixadas australianas, americanas e canadenses. Eles compraram muito do nosso pão para as celebrações do Dia das Bruxas", disse orgulhoso.

 


http://noticias.terra.com.br/popular/interna/0,,OI762729-EI1141,00.html

 

 

 

 

 

.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


25
Ago 08


Tunick um nova-iorquino

     Desde 1992, Spencer Tunick , nova-iorquino de 36 anos, tira fotos de homens e mulheres despidos, intitulando sua obra como massa humana, já atuou em praticamente todo o mundo civilizado.
Entre suas passagens pelo Canadá, Suíça, Alemanha, Rússia, Itália, Irlanda, República Tcheca , Austrália, Japão, Antártica , África do Sul e Holanda, ele já fotografou milhares de pessoas nuas pelas ruas. Em Melbourne, na Austrália, obteve o maior número de colaboradores: 4.500 pessoas.
Spencer Tunick já teve vários conflitos com a polícia de Nova Iorque, que chegou a prendê-lo, por ter feito posar modelos (às vezes dezenas) completamente nus pelas ruas da Big Apple ".
O fotógrafo foi à Justiça, alegando o direito à livre expressão, e um juiz da Corte Federal de Manhattan considerou que deveria ser pago a quantia de 33.000 dólares para assim reembolsá-lo dos gastos judiciais.
Em junho passado, a prefeitura de Nova Iorque tinha apelado em vão à Corte Suprema dos Estados Unidos para tentar obter uma proibição da foto de gente despida nas ruas.



 

















Tunick um nova-iorquino

     Desde 1992, Spencer Tunick, nova-iorquino de 36 anos, tira fotos de homens e mulheres despidos, intitulando sua obra como massa humana, já atuou em praticamente todo o mundo civilizado.
Entre suas passagens pelo Canadá, Suíça, Alemanha, Rússia, Itália, Irlanda, República Tcheca, Austrália, Japão, Antártica, África do Sul e Holanda, ele já fotografou milhares de pessoas nuas pelas ruas. Em Melbourne, na Austrália, obteve o maior número de colaboradores: 4.500 pessoas.
Spencer Tunick já teve vários conflitos com a polícia de Nova Iorque, que chegou a prendê-lo, por ter feito posar modelos (às vezes dezenas) completamente nus pelas ruas da "Big Apple".
O fotógrafo foi à Justiça, alegando o direito à livre expressão, e um juiz da Corte Federal de Manhattan considerou que deveria ser pago a quantia de 33.000 dólares para assim reembolsá-lo dos gastos judiciais.
Em junho passado, a prefeitura de Nova I
orque tinha apelado em vão à Corte Suprema dos Estados Unidos para tentar obter uma proibição da foto de gente despida nas ruas.


Tunick no Brasil

Confira agora
todos os momentos desse sensacional ensaio fotográfico

       De megafone na mão, auxiliado por uma tradutora, o artista americano comandou a sessão desde as 5 horas da manhã, quando ainda havia uma lua cheia no céu, e só parou após registrar a terceira foto, às 8 horas, com a multidão em um canto do parque de frente para o Obelisco, todos deitados na grama, rodeando a estátua de um esquecido Ibrahim Nobre (1932-1972), apelidado “O Tribuno”, com seu braço estentido e o dedo inquiridor apontado para cima.

O artista norte-americano Spencer Tunick (Vidal Cavalcante/AE) Tunick fez três sessões de fotos. Na primeira, o público ficou em pé e olhando para baixo no estacionamento do prédio da Bienal, com a sede da exposição ao fundo, e deitou no chão no mesmo local. A segunda sessão de fotos foi feita embaixo da marquise do Ibirapuera, com o público em pé e deitado. Já a terceira sessão foi realizada no Obelisco, na frente do parque. Visivelmente, havia mais homens do que mulheres na performance. Havia casais também na multidão. Todas as pessoas que participaram da performance tiveram de assinar uma declaração autorizando Tunick a utilizar suas imagens. Todos os participantes receberão uma foto em dois ou três meses, assinada pelo autor.

 









    Ao final das fotos, a drag queen e apresentadora Léo Áquila exaltava. “Foi um luxo! Ele é maravilhoso!”, disse, referindo-se ao fotógrafo. “Alguns vieram com malícia, mas foram dois ou três”, disse Florivaldo Almeida. “No mais, foi pacífico, harmonioso, natural”. “A massa de corpos é uma explosão de vida”, afirmou o fotógrafo. “Eu fotografo todos os tamanhos e formas de corpos a beleza está na personalidade das pessoas”, afirmou ele.

A opinião de Pedro Sanches que pousou nu para spencer tunick no brasil

Cores de gente

“Os corpos eram objetos do artista. Não meu corpo, mas todos os corpos como um só. Nem individualidades, nem diferenças. Uma mesma cor, excessivamente pálida para um país Brasil, unificava o desenho. Estive ali, deitada no piso cinzento, cercada de corpos em variantes do bege, com um céu azulado e um silêncio branco.

Foi essa minha sensação. Tonal. E outra: a experiência do coletivo . De repartir o espaço com gente. Cheiros, barulhos e cores de gente. Nunca antes tão de perto e tão despidos. Eu pensava que fosse me constranger um pouco, mas não. Foi muito tranqüilo , muito ‘comum’ ficar nu no meio de (tanta) gente. Um estar no mundo diferente, momentaneamente suspenso. Uma experiência que é, certamente, do campo da arte.”

 

Galeria de nus à deriva

Se uma imagem vale por mil palavras, as fotografias do fotógrafo norte-americano Spencer Tunick não têm palavras! É impossível descrever o impacto que têm vindo a suscitar no mundo inteiro.

Genial para uns, aberrante para outros, a verdade é que não há ninguém que fique indiferente ao seu trabalho.

É que este artista nova-iorquino descobriu maneira de ser notícia no mundo inteiro, dedicando-se a viajar, de continente em continente, a fotografar pessoas e multidões totalmente nuas.

O efeito é fabuloso e são aos milhares as pessoas que lhe escrevem diariamente a dizer que querem participar no seu próximo trabalho.

Marque o seu lugar no site oficial ou fique-se pelas imagens desta galeria

http :/ www.spencertunick.com /

 

 

 


18
Ago 08

 

 

Umas bem criativas outras modernas e diferentes.

Bastante criativa a idéia de ter um autêntico lutador de sumô na sala e um aquário como mesa de centro.
As mais interessantes podem ser vistas aí embaixo.


Clique aqui para conferir a lista completa.
Fotos: Reproduções

 

 

 

 

 


14
Ago 08

 


Fotos: Reproduções


 

http://fina-sintonia.blogspot.com/

 

 

 

 


07
Ago 08

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

De Oslo a Singapura, aqui vai da esculturas que chamam atenção pelo mundo.
A escultura em destaque acima se encontra em Bruxelas, na Bélgica.

 

 

 

http://www.forum.jareguengo.com/index.php?topic=837.0

 

 


21
Jul 08

 

 


Uma piscina diferente - uma obra de arte Isto é arte. O artista Leandro Erlich construiu uma piscina no 21st Century Museum of Art of Kanazawa que não tem água, ou melhor, apenas um espelho de água de 4 a 5 centímetros.

A piscina é fechada com um acrílico transparente. Quem está em seu interior é visto como se estivesse dentro da água.

Enfim uma piscina para quem não sabe nadar...

19
Jul 08

A fantástica arte na areia organiza competições em todo o mundo: como na China, Espanha, Brasil, Canadá (o último "Torneio dos Campeões", foi realizado na em Harrison Hot Springs ), Flórida, Oregon, Texas, Virgínia ... caracterizando tal como mestres incontestáveis Amazin Walter, Rich Varano (O Sultão da areia), William Lloyd, Carl Jarra e Suzzane Altamare concorrerão com artistas de todo o mundo.
Por serem feitas de areia, será impossível preserva-las por muito tempo como as
Esculturas no gelo e na neve. Os tradicionais temas são: Castelos de areia, dragões, personagens de contos de fadas, entre outros.







Isto é feito devagar e com sentimentos



"The Princess Power"por Rich Varano:



Sendo engolido pelo dragão





A imagem a esquerda está "olhando para o passado", à direita - "olhando para o futuro"



"A Igreja" por John Gowdy e Michael Velling:






Fontes: amazinwalter Rense Dark roasted blend

http://www.blogsilence.com/2008/06/fabulosa-arte-na-areia.html

 


17
Jul 08

 

 

Por cerca de R$ 250, é possível virar 'action figure'.
Bonecos são feitos com base em fotografias enviadas por cliente.

 

Foto: Divulgação
A artista americana Cyndi Safstrom arrumou um bom jeito de popularizar seu trabalho: ela transforma qualquer pessoa em um bonequinhos de brinquedo, os famosos 'action figures'. Pela internet, o comprador envia suas fotos para Cyndi, e escolhe até o modelo da roupa e os acessórios que vêm com o boneco. Cada boneco é vendido por US$ 160 (cerca de R$ 250). (Foto: Divulgação)
 
 
globo.com
 
 

Pesquisa personalizada




Dezembro 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16

19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
30
31


subscrever feeds
pesquisar neste blog
 
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

blogs SAPO